ACAL

Em São Paulo, o HANAMATSURI – a Festa das Flores é comemorado tradicionalmente, no mês de Abril, realizado desde 1.966, na Praça da Liberdade-Japão, com um altar ornamentado com flores naturais, chamado “Hanamidô”, simbolizando o jardim onde o Buda nasceu, que abriga em seu interior a imagem de Buda Menino.

De acordo com a lenda, uma música celestial ecoou pelos quatro cantos do universo e todos os seres que habitavam o mundo sentiram uma grande bem-aventurança.

As flores desabrocharam e do céu caiu uma suave chuva de néctar, simbolizada pelo chá adocicado (amachá).

Conforme a crença popular, as pessoas que pretendem homenageá-lo, dirigem-se até o altar, com uma concha derramam o chá sobre a imagem de Buda, três vezes, fazendo pedidos, assim são abençoadas e podem ter seus pedidos atendidos.

É por isso que durante a semana de comemorações, não apenas fiéis budistas, mas o público em geral sobe ao palanque no Jardim Oriental, saudando o Buda pelo seu nascimento, que ocorreu há aproximadamente 2643 anos, no nordeste da Índia e quando criança era chamado de Siddharta Gautama.

Siddharta era filho do rei Suddhodana e da rainha Maya, o seu nascimento é precedido por um fenômeno muito interessante, certa noite a rainha Maya teve um sonho estranho, um elefante branco surgira e entrara em seu corpo através de sua axila direita.

Muitos interpretaram o sonho como um bom presságio, pois entendiam que em breve a rainha conceberia um filho.

Assim, os budistas do mundo inteiro fazem questão de incluir nas comemorações do nascimento do Buda a imagem de um elefante branco, pois ele é o mensageiro do seu nascimento.

Em sua biografia, no momento de seu nascimento há 560 a.C., o Buda Siddharta Gautama deu 7 passos e levantou uma mão para o Alto, apontando o céu e a outra para baixo, apontando a terra e em seguida proferiu as seguintes palavras “ Assim na terra como no céu, sou um ser digno ”, significa que em sua essência, a vida é digna a existência de todos igualmente.

No final do evento, um cortejo desfila pela rua Galvão Bueno, acompanhando um grande elefante branco sobre a qual está a imagem do pequeno Buda e os que vieram prestigiar recebem um ramalhete de flores.